Tânia Alexandra - Para si a escrita é... Liberdade, vida, retirar o peso dos ombros.

"A minha inspiração vem principalmente do meu coração, dos meus sonhos, que muitas vezes pairam dias e dias na cabeça."

Olá, Tânia!

Desde já agradecemos de ter aceite o nosso convite para falarmos um pouco dos seus projetos, de si.

Vamos a isso…


Quem é a Tânia Alexandra?

É uma miúda que vive dentro da sua própria mente. Tímida, mas que adora sorrir na companhia dos outros, de ver a alegria dos outros. Alguém que tem os sonhos do mundo, mas muitas vezes tem receio de os viver. Acima de tudo, alguém que se tenta encontrar no caminho.


Como entrou no mundo da escrita?

Através do desafio. Do desafio de tentar escrever uma história de amor depois de ler “Quem Ama Acredita” de Nicholas Sparks. A descoberta do que eu seria capaz de fazer.


Onde vai buscar inspiração? O que a move?

A minha inspiração vem principalmente do meu coração, dos meus sonhos, que muitas vezes pairam dias e dias na cabeça. O ler outras histórias, observar a natureza, a chuva, a música. O que me move… bem… o sonho… a vida. O conseguir tocar no coração de quem me lê. O conseguir criar algo que fique marcado, que eu possa dar sentido a isso, é maravilhoso.


"É impossível colocar em palavras."

Definha-se numa palavra.

Sonhadora.


Lançou em 2021 o seu primeiro livro, “O Reencontro”, o que sentiu?

Não existe sentimento capaz de explicar como foi, mais do que o ver cá fora, a sensação de quando o segurei nas mãos a primeira vez, foi uma sensação de “será que isto está mesmo a acontecer? Eu consegui mesmo?” É impossível colocar em palavras.


Quanto tempo demorou a escrever?

Ui, não é para assustar ninguém, mas desde a primeira palavra até sair, foram quase 17 anos.


"Tem todo o significado do mundo, o significado de um sonho que não achei possível acontecer."

Sendo o seu primeiro livro, o quanto nele está de si? Que significado ele tem para si?

Tem todo o significado do mundo, o significado de um sonho que não achei possível acontecer e, no entanto, ele está cá fora. Foi uma conquista. Todas as minhas histórias têm um pouco de mim, nem que seja representado de forma inversa, esta não é diferente. Onde passo férias, amigos de infância, o primeiro amor.


Que temas retrata neste livro?

A amizade, o amor, a importância das segundas oportunidades, desde que elas não nos façam mal.


Que projetos tem ligados ao “O Reencontro”?

Para este livro, neste momento vou deixá-lo assim, existem histórias que por mais que surjam para o mundo, tem um significado para nós que não pode ser rompido.


"Ela é a nossa essência, vive de nós como nós dela."

Defina numa palavra esta história.

Divertida.


Sente-se apoiada pela sua família?

Pela minha mãe, sem dúvida, do resto da família não posso dizer que não, no entanto, sei que preferem muitas vezes não se pronunciarem.


Teve altos e baixos na sua vida, em algum momento pensou em desistir da escrita?

Sim, infelizmente, sim. Graças a Deus nunca fui ao extremo de desistir de todo, mas já cheguei a guardar projetos, a tentar esquecer a escrita, mas é impossível tirar a escrita de um escritor. Ela é a nossa essência, vive de nós como nós dela.


"Elas ganham vida por elas e nós simplesmente somos conduzidos a entrar na vida delas e querer saber mais."

De onde surgiu a escolha do título para o seu livro?

Sinceramente, já não me lembro (risos). Foi algo que me veio à cabeça na altura (risos). Até porque foi só depois de ter o título que comecei a história.


Durante o processo criativo, o que mais a cativou a desenvolver a história?

Foi o facto de ver até onde as personagens me iriam conduzir. Nós criamos, nós escrevemos, mas depois elas ganham vida por elas e nós simplesmente somos conduzidos a entrar na vida delas e querer saber mais.


Se fosse hoje, mudaria alguma coisa no seu livro?

A revisão. Teria tido muito mais cuidado com a revisão, sem dúvida.


"O meu segundo livro vai-se chamar “Entre o Amor e o Tempo”."

Sendo que está a trabalhar numa segunda obra, seria possível nos dar alguma informação sobre a mesma?

Vou aqui revelar em primeira mão. O meu segundo livro vai-se chamar “Entre o Amor e o Tempo”, é um género diferente d “O Reencontro”, no entanto, continua a ser um romance. É de realismo mágico, ou se preferirem, Romance de Fantasia.


Quando está previsto sair o segundo livro?

Não tenho data concreta, mas se tudo correr bem será entre o princípio e o fim do verão.


Enquanto autora gostava de explorar outros géneros?

Claro. Menos terror, acho que não voltava a dormir da mesma maneira (risos).


"Sou escritora a 100%, podem achar que sou maluca, não sou."

Neste momento, a sua profissão é inteiramente escritora ou tem outra em conjunto?

Sou escritora a 100%, podem achar que sou maluca, não sou. Não é impossível viver da escrita em Portugal, mesmo que digam que se lê pouco, se verem o número de exemplares que os autores de fora vendem cá, entre 10 milhões de habitantes que temos, sim, acredito que seja possível.


Tem sete contos na plataforma Wattpad, diga-nos, entre os sete qual aquele que tem um carinho mais especial?

Não vou mentir, o conto de “Quero-te” que é um romance erótico, e “Silêncio da Noite” que é um romance policial e o primeiro que escrevi para a plataforma, “Quando mudaste a minha vida”.


Fale da experiência de escrever algo mais reduzido como é o conto.

Desafiante, o ter aquele limite de páginas quando só queres escrever e escrever, chega a ser doloroso depois ter de cortar, mas faz parte, ajuda o autor a crescer.


"Para tentar chegar a mais pessoas, dar a conhecer o que escrevia."

Porque optou pela plataforma para os lançar?

Para tentar chegar a mais pessoas, dar a conhecer o que escrevia. No entanto, não foi a primeira ideia que tive para eles.


Os contos vão ficar exclusivos na plataforma ou tem algum projeto para eles?

Sim, lá está, como referi em cima colocá-los na plataforma não foi a primeira ideia. Vou reescrever alguns deles para livro, desenvolver as personagens, outros continuam em contos, mas mais longos, no entanto, um desses contos será o género de um prólogo para a continuação em livro, “Kobadera”.


Que outros projetos têm na calha?

Ui, tantos, além dos que referi em cima, estou a pensar em escrever uma série baseada no personagem fictício Anjo Negro, inclusive criei uma conta de Instagram para ele, é https://www.instagram.com/aanjo.negro/, cada livro não deve ultrapassar as 150 páginas. Tenho uma trilogia erótica em desenvolvimento, estou a contar lançar o primeiro ainda no fim deste ano, estou a trabalhar num romance sobrenatural e depois vou-me meter, talvez, na aventura.


"Liberdade, vida, retirar o peso dos ombros."

Gostava de se internacionalizar?

Claro, é tudo o que quero, chegar a outras pessoas pelo mundo fora.


Na sua opinião, as redes sociais são uma boa ferramenta para promover o seu trabalho?

Sim, sem dúvida. Se não fosse pelas redes sociais muitos autores nunca ganhariam voz.


Para si a escrita é…

Liberdade, vida, retirar o peso dos ombros.


"Gosto muito de ouvir a chuva quando escrevo."

Quais são os seus autores preferidos? Assim como os livros.

Internacionalmente, Nicholas Sparks e Nora Roberts, em Portugal Raul Minh´alma. O livro “Quem Ama Acredita” será sempre aquele livro especial, gosto também d´ “O Recife”.


Gosta mais de escrever no silêncio ou não se importa que exista ruído?

É assim, se for um som constante, não me faz diferença nenhuma, mas se for fora do normal não consigo. Gosto muito de ouvir a chuva quando escrevo, mas o silêncio muitas vezes é bem-vindo para ouvir os tais sonhos que ficam a magicar na cabeça.


Publicou numa editora vanity o seu primeiro livro, o segundo, terá o mesmo caminho?

Sim, o segundo será por uma vanity, a editora Cordel D´Prata.


"Só não olham para nós porque não temos nome."

Até que ponto uma editora vanity é mais favorável?

É favorável no sentido de dar a conhecer o autor, de terem o processo de revisão e design e fazerem as alterações que nós autores desejamos.


Vê-se a se autopublicar?

Até um tempo atrás, não, não imaginava o fazer, mas hoje em dia, estou a ponderar em arriscar, sem dúvida.


Na sua opinião o mundo literário está em crescimento?

De autores, sim, cada vez somos mais autores e bons, porque Portugal tem bons autores, só não olham para nós porque não temos nome. Infelizmente, ainda existe muito a fazer da parte de todos.


"Se um designer, revisor, precisa de sustentar uma casa, um autor também precisa."

Como vê a maneira como tratam a profissão de autores em Portugal?

Desvalorização. É a palavra que mais me identifico. Como referi em cima, somos 10 milhões de habitantes, os autores internacionais vendem milhares de exemplares num país que não podem usar como justificação termos poucos leitores, porque os leitores compram o que vem de fora, esgotam livros que veem de fora, só tem de se lembrar que em Portugal as histórias também são boas, também temos o direito de nos darem uma oportunidade. As editoras deviam apoiar mais o que é nacional. A percentagem que um autor recebe é muito pouco, e isso, devia ser melhor visto, devia ser revisto, porque se um designer, revisor, precisa de sustentar uma casa, um autor também precisa. E escrever é uma profissão, tal como pintar, cantar, merecemos ser ouvidos e reconhecidos. Ter uma voz.


O que acha na sua opinião que devia ser feito em Portugal para atrair mais leitores e de alguma forma promover mais os autores nacionais?

A redução de livros internacionais. As livrarias darem destaque aos autores Portugueses, assim como, as editoras e os leitores. Existir uma redução no preço final dos livros, para ser mais acessível a todos.


Tem alguma “condição” especifica para com os seus livros?

Sim, tenho, não é muito uma exigência, mas nas capas não gosto de ver as caras explicitas, assim como, gosto de ter uma pequena imagem no início de cada capítulo representando a história.


"Mais do que sair da minha cabeça, a história só ganha vida completamente nas vossas mãos."

O que espera daqui para a frente enquanto escritora?

Espero continuar a ter imaginação para vos trazer histórias únicas. Espero que os meus leitores se identifiquem com elas, que me continuem a ler, que de alguma forma sejam tocados.


Deixe uma mensagem para quem a acompanha:

Obrigada, por tudo. Sem vocês não era possível continuar a acreditar, não seria possível obter forças para me sentar em frente ao computador e escrever. Mais do que sair da minha cabeça, a história só ganha vida completamente nas vossas mãos.


"Se é mesmo algo que queiras, faz, não importa as lutas que tenhas de travar."

Deixe uma mensagem sobre o seu novo livro:

É uma história de amor, como já referi, meio fantasia, dando um pouco de spoiler, o protagonista viaja no tempo. Acima de tudo, é uma história sobre recomeços. Todos nós merecemos recomeçar.


Deixe uma mensagem para quem quer escrever:

Não é fácil, existem muitos obstáculos, no entanto, se é mesmo algo que queiras, faz, não importa as lutas que tenhas de travar, não importa o que sussurram, mantem-te no teu caminho, porque só tu sabes dos teus sonhos. Mais, escreve o que te motiva, o que corre dentro de ti, não por modas, ou porque A ou B o fizeram, sê tu próprio.


Muito obrigada, “Entre Palavras”


A obra da Autora:



15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo