Elsa Fonseca fala da obra "Passagens"

"Anjo da Guarda, o primeiro texto do livro representa o amor e a saudade que o meu avô deixou em mim."

Olá, Elsa!

Antes demais os nossos parabéns pela vitória nos Prémios Literários referente à Categoria Ficção Literária. Vamos saber mais sobre esta obra…


Olá, Cristina, eu é que agradeço a disponibilidade e interesse em conhecer melhor o meu primeiro livro.


Estas passagens descritas, alguma delas nasceu do amor que sente pelos seus avós?

Este livro é dedicado ao meu avô Luciano que foi uma referência na minha infância e que transporto até aos dias de hoje, e é também dedicado a Mariana Martins, que não sendo minha avó de sangue, era-o de coração e deixou uma marca indelével na minha vida.

Anjo da Guarda, o primeiro texto do livro representa o amor e a saudade que o meu avô deixou em mim.


A criança que está presente nos seus textos, de alguma forma, podemos dizer que é uma lembrança da Elsa em criança?

Neste primeiro texto, a criança e as lembranças são minhas, ao longo do livro já não se aplica esta presença, existem personagens em que me revejo, situações para onde me transporto ou imagino, por vezes com alguns traços de realidade, outras nem tanto.


"Tudo o que nos rodeia é fonte de inspiração, os sons, os cheiros, as vivências..."

Onde encontrou a inspiração necessária para descrever certos sentimentos?

Por vezes basta estarmos atentos ao que nos rodeia, sentir os momentos, viver as emoções, guardá-las, escrevê-las… tudo o que nos rodeia é fonte de inspiração, os sons, os cheiros, as vivências… eu gosto de apreciar o que me rodeia, gosto de ver o dia a nascer, gosto de ver o ocaso, gosto de sentir a música, de ler, e de me emocionar com o que leio, de ver filmes e senti-los na primeira pessoa. Escrever é uma conjugação de tudo isto, e qualquer momento, palavra ou situação, podem ser sempre uma fonte de inspiração.


Como foi receber o carinho e aceitação dos leitores sobre os textos que escreve?

É muito bom, é uma recompensa diária perceber que entro na alma daqueles que me lêem. Recebo esse retorno através das redes sociais e é uma motivação para continuar a expor os meus textos.

Escrever por si só é sempre um prazer, é uma catarse, mas receber essa aceitação por parte de quem lê é uma recompensa enorme.


Sente que esta obra foi lançada no momento certo, ou eventualmente, se fosse hoje faria diferente?

Esta obra foi acontecendo aos poucos, sem ter sido um objectivo inicial. Tenho que agradecer à editora Cordel de Prata a oportunidade de fazer chegar mais longe as minhas palavras.

Não mudaria nada nesta obra, ela reflecte o meu regresso à escrita após 25 anos sem o fazer, e por si só, é um marco na minha vida.


"É uma honra perceber tamanha aceitação e preferência por parte dos leitores."

Poesia, é um género que se vê continuar a escrever futuramente?

Sim, poesia será sempre o que mais gosto de escrever, e escrevo de forma natural, sentida e profunda. Escrever é uma paixão, portanto, eu continuo a escrever, a poesia está presente em cada momento da minha vida.


O que sentiu quando ganhou na Categoria Ficção Literária?

Senti-me surpreendida, mas muito feliz. Não estava à espera que realmente o meu livro tivesse causado tal impacto. É uma honra perceber tamanha aceitação e preferência por parte dos leitores.


O que gostava de dizer aos leitores que acompanham o seu trabalho?

Espero que continuem a rever-se no que escrevo, espero sinceramente que vistam as palavras que lêem e que façam delas suas, transmitindo por vezes o que não conseguem, e que lhes vai na alma.

Agradeço o retorno diário e espero continuar a fazê-los sonhar!


Muito obrigada, Cristina “Entre Palavras”


Obra Vencedora:


165 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo